Aprenda a como evitar pragas nas gramas naturais

Aprenda a como evitar pragas nas gramas naturais
Aprenda a como evitar pragas nas gramas naturais

Um gramado visto e saudável é um item fundamental para quem deseja ter sucesso em projetos de paisagismo ou mesmo ter uma casa totalmente dentro de suas preferências. Mas, para deixar o gramado em tais condições nem sempre é algo simples. Mesmo que ocorra uma manutenção frequente e que o plantio tenha sido feito de maneira apropriada, existem diversas enfermidades e pragas que tem a capacidade de por em perigo a beleza do seu gramado. Desta forma, é preciso ter atenção aos primeiros sinais de que alguma coisa não vai bem: problemas para crescer, manchas e folhagem amarelada ou queimada são os sinais mais frequentes de alguma praga.

Em geral, as pragas nas gramas naturais ficam mais graves quando afetam gramados pouco nutridos, com muita umidade e podas mais baixas. Além disso, cortes excessivos podem acabar com as reservas de nutrientes do gramado, enfraquecendo-o. o adequado é não realizar a poda com a grama muito elevada para não prejudicar as folhas e nem determinar pontos falhos, deixando a planta ainda mais fraca.

Vale frisar que gramas recomendadas para clima quente, acabam por serem mais sensíveis as enfermidades. Podem ser colocadas nesse grupo: a grama natural Santo Agostinho, a grama Bermuda, a grama Bahia e/ou Batatais e ainda a grama São Carlos.

De qualquer maneira. Especialistas apontam que o nível de vulnerabilidade de um gramado tem muito haver com as formas de manejo, ou seja, adubação, irrigação e corte e ainda com a forma de plantio, ou seja, preparação do solo. Desta forma, a maneira mais apropriada para deixar o gramado verde e longe de enfermidades é garantir o equilíbrio, principalmente, no que se refere aos adubos e a irrigação. Afinal, o uso de adubação e da irrigação aliadas a forma adequada de prevenção podem reduzir os perigos de alguma erva daninha.

O que fazer quando a grama já está com sinais de ervas daninhas?

Quando você observa que já existem sinais de enfermidades ou ervas daninhas, as ações para tentar minimizar as pragas devem ser realizadas para resgatar a relva e/ou deixar essa infestação de forma controlada. A solução vai ter muito haver com o tamanho do prejuízo provocado a gramado, bem como dos favores locais e climáticos.

Além disso, existem algumas ações biológicas que em diversas situações podem provocar efeitos positivos nas regiões danificadas, sem provocas nenhum dano extra. Para a administração de ervas daninhas, a diminuição da infestação pode ser realizada com a retirada mecânica ou através do uso de produtos químicos, com o uso de herbicidas. Nessa última situação, por causa dos perigos, é essencial que o tratamento respeite todas as instruções de um profissional especializado. Por isso, é essencial frisar que para os gramados de casas não há uma legislação que libere o uso de defensivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *